ADVOGADO CONSEGUE INDENIZAÇÃO DE R$.30.000,00 CONTRA EMISSORA DE TELEVISÃO – comentário sensacionalista o incriminava

BOM DIA!

   Advogado vai receber indenização de R$. 30.000,00 de emissora de televisão por matéria sensacionalista.

   Tudo indicava e dava a entender que um advogado, de uma cidade do Rio Grande do Sul, logo mais seria indiciado, processado e condenado por, supostamente, ter falsificado inúmeras assinaturas em procurações, recolhendo diversos benefícios previdenciários de professores, sem repassar os valores recolhidos aos profissionais da educação .

   Descoberto e denunciado, iniciaram-se cerca de 103 (cento e três) inquéritos policias para apuração dos fatos.

   Quando a emissora de televisão local soube do caso, o trouxe como um escândalo em seu programa jornalístico, similar ao estilo de jornalismo do famoso “Datena”. No programa, apresentado por uma jornalista, trataram o assunto com “supersensacionalismo”, exaltando o crime do advogado, e rogando-lhe as mais severas críticas. Exigiram a prisão do mesmo e todas as medidas cabíveis. Como consequência  da reportagem, transmitida para todo estado, o acusado teve sua carteira profissional suspensa por 81 dias, e passou a sofrer perseguição pública.

imagem ilustrativa - google imagens

   Devido à repercussão, propôs ação indenizatória contra a referida emissora, por entender ilegal a abordagem antes de qualquer julgamento, trazendo-lhe consequências antes da condenação pela Justiça. A emissora defendeu sua liberdade de expressão e o direito de levar ao conhecimento do público casos cotidianos. A decisão foi favorável ao advogado, que vai receber indenização de R$. 30.000,00 (trinta mil reais).

   A decisão foi acertada. O porque?? Confira a seguir.

 (CONTIUE LENDO)

   Para iniciar os debates, é preciso entender: a questão no presente caso não é a discussão sobre a culpa do advogado ou sua inocência na falsificação das procurações. A questão é a conduta da emissora, que, com seu poder de veiculação, realiza pré-julgamentos, incutindo a sociedade em coerção social contra um cidadão que sequer está sendo processado. Como será abordado adiante, tal atitude coloca em risco a sociedade.

   Se a questão ainda está sob inquérito policial, não há processo. Se não há processo, não houve julgamento. Se não houve julgamento, não houve defesa, nem condenação. Isso quer dizer que, até o fim do processo, e eventual condenação, o acusado não é um criminoso. Mas, a notícia, como foi dada, representou a “condenação social” do mesmo. Conforme sustentou a desembargadora do caso, no julgamento em segunda instância, a emissora deu a entender que já havia julgamento, e já havia condenação, o que suprimiu o direito de defesa do cidadão.

   Repetindo, vejam que a questão aqui não é se o advogado cometeu ou não um crime. A questão é a exposição da imagem de uma pessoa por emissora televisiva que, claramente, busca ibope, o que acarreta lucro para a mesma, sem que necessariamente o devido processo legal tenha sido cumprido.

   Em outras palavras, a mídia não pode atribuir uma característica criminosa a determinada pessoa sem que esta tenha sido processada e condenada. E porque não? – muitos perguntarão. É para que sejam evitadas injustiças. Quem tem poder para julgar é a Justiça, o Poder Judiciário, e há um desenvolvimento legislativo de séculos para definir os procedimentos a serem adotados para tal julgamento. Não é o jornalista quem pode quebrar esses procedimentos, atropelar a Justiça, atropelar os trâmites legais, e fazer seu pré-julgamento, espalhando para a sociedade o que bem entender. Se o devido processo legal não for respeitado, a defesa do acusado, garantida pela Constituição Federal, acabará sendo prejudicada. E assim, injustiças poderão ser cometidas.

imagem ilustrativa - personagem de programa humorística

   Para evitar que tais situações ocorram, devem os jornais se aterem à apresentação dos fatos, e se forem sustentar críticas, que sejam ponderadas, buscando sempre ressalvar o direito de defesa do acusado, explicitando ainda que o caso está pendente de julgamento, e que apenas o Poder Judiciário poderá avaliar a culpa do sujeito.

     Foi desrespeitando esses preceitos que, por diversas vezes, a Televisão cometeu injustiças, e sua influência em massa resultou em condenação de pessoas inocentes, que estavam passando pelo lugar errado e na hora errada. Foi assim que inocentes passaram anos na cadeia, até conseguirem provar sua inocência. Quem lhes trás o tempo de volta? Quem realmente ressarce os danos causados? A retratação das emissoras? Um pedido de desculpas em rede nacional? Ora, uma retratação, quando realizada,  nunca é feita na mesma proporção do que a “condenação sumária”, o que acaba prejudicando eternamente o acusado, sendo ele absolvido ou não.

   E foi com esses fundamentos que o advogado, alvo da emissora, propôs ação indenizatória. E foi assim, por fazer um pré-julgamento, atropelar os trâmites processuais, e expor ao ódio social o advogado acusado, a emissora foi condenada a pagar indenização, a título de danos morais, de R$.30.000,00.

 

   Que fique claro. Não sustentamos que o acusado neste caso seja inocente, nem sua impunidade. Caso o processo siga adiante e haja provas suficientes para condená-lo, que assim a Justiça seja feita. Mas, nem mesmo os altos índices de culpa atribuídos a alguém podem permitir que a Televisão venha a realizar a condenação sumária desta pessoa. Permitir tais procedimentos seria um abuso contra os cidadãos, pois, até mesmo com todas as evidências, o sujeito é inocente até que se prove o contrário. Jornalistas: vocês não têm esse direito. E parafraseando um de vocês: expor alguém com sensacionalismo para ter mais ibope, sem medir as consequências… com certeza, “isto é uma vergonha!”.

   A reportagem sobre o caso você confere aqui.

   Compartilhe, opine, debata!

   Abraços!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Casos Peculiares, Opinião

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s